sexta-feira, 17 de setembro de 2021

 "Os jovens de hoje gostam de luxo, são mal comportados e desprezam a autoridade. Não têm respeito pelos mais velhos e passam o tempo a conversar em vez de trabalhar. Não se levantam quando o adulto chega. Contradizem os pais. Apresentam-se em sociedade com enfeites estranhos. Apressam-se a ir para a mesa e comem os acepipes. Cruzam as pernas e tiranizam os seus mestres."

Isto é bem o retrato do nosso tempo!

Todavia, este texto é atribuído a Sócrates que viveu há 2400 anos.

Ernesto Campos in Crenças e Malquerenças

terça-feira, 14 de setembro de 2021

 Estava eu a caminhar junto à praia, junto ao nosso mar de Gaia, mar único e apaixonante, e recebo uma mensagem da minha querida mulher:

 "Faleceu o Dr. Ernesto Campos".

O nosso mentor, muito mais da minha mulher do que meu, é certo, muito mais de alguns amigos meus do que meu, mas também meu, muito embora só tenha trabalhado com ele três anos, 

um Sábio deixou-nos, enfim. Um homem grande de saber, de falar e de fazer. Um homem que viveu para a "pedagogia da felicidade", como ele tão bem dizia. Um Professor amigo, um Diretor humano, um amigo raro. Um homem bom por quem eu hoje choro. 

Que o Bom Deus, de quem ele era tão cúmplice, o acolha na sua Bondade.

 Até breve, Dr. Ernesto.


quinta-feira, 19 de agosto de 2021


Da Meia Praia avisto um barco à vela, com ares de caravela, e o meu pensamento é uma vista para o que já foi feito e o que ainda há para fazer. Uma viagem sempre rumo ao desconhecido, mas com a ideia presente de que, com a minha gente, os meus passos serão sempre mais alegrias e menos cansaços, mais sonhos realizados e menos fracassos.

domingo, 11 de julho de 2021

 Com mais presunção de inocência ou menos inocência da presunção, o que é certo é que o boy do PS, de seu nome Vítor Fernandes,  que aparece no olho do furacão da operação #cartaovermelho, estando Vieira, inclusive,  proibido de o contactar, vai presidir um banco que vai gerir parte do PRR.


Ou seja, o dinheiro fresco que vai chegar da UE e às carradas vai ser controlado por gente deste calibre! 


 (Onde há massa para distribuir à farta, há este tipo de gente sempre presente.) 


Desabafo à parte, não seria de esperar que o Governo encostasse este senhor?

Infelizmente, não é provável isso acontecer porque a tal "presunção de inocência" , que é um termo jurídico utilizado nos tribunais e saltou agora para a praça pública de forma muito conveniente apenas para limpar a imagem de ladrões e pedófilos, serve de tampão para a falta de ética e boa conduta na vida pública.


Em resumo, podes roubar à vontade. O que importa é teres bons amigos no poleiro e advogados também com bons amigos no poleiro (um advogado hoje não lhe basta ser bom, pode ser um labrego - e ele há tantos - que desde que tenha os amigos certos a coisa funciona) e assim deixar que a lenta justiça funcione porque enquanto o teu caso não chegar ao tribunal europeu dos direitos do homem, daqui a quinze anos, a tal "presunção de inocência" vai permitir que continues na boa a estourar o dinheiro que roubaste e ai daquele que te chame ladrão que leva logo com a presunção de inocência nas fuças!

sábado, 15 de maio de 2021

Se por acaso nos anos quarenta do século passado, enquanto os nazis andavam entretidos a exterminar judeus, houvesse multicanais de televisão, internet, redes socias, correspondentes noticiosos, especialistas em política internacional a par de serem especialistas em politica nacional, futebol, festivais da canção, etc, certamente que o mundo iria ser confrontado com um tal manancial de informação e contra informação, fake news, opiniões da esquerda, da direita, da santa sé, da sala oval ou do pentágono, e, por outro lado, as pessoas iriam fazer os seus filtros consoante as suas tendências políticas, partilhar as tretas que recebem nos seus smartphones, comentar assertivamente no facebook, indignar-se aqui, tolerar ali e justificar acolá e, no meio disto tudo, estou certo, os nazis continuariam céleres e contentes a exterminar os pobres dos judeus e os pobres dos judeus continuariam impotentes a entregar as suas almas a Deus.
É o que está a acontecer exatamente agora na Faixa de Gaza, onde os judeus exterminam tranquilamente os palestinianos sem que nós, o mundo, consigamos ter uma noção, por singela que seja, daquele que é, nada mais nada menos, um novo geconídeo perpetrado por um povo opressor contra outro povo sem defesa.

quinta-feira, 11 de março de 2021

 Esta coisa dos cabeleireiros continuarem fechados, enfim, nem comento. Mas queixo-me. Sim, porque queixar é diferente de comentar.

Queixo-me porque cumpro. Porque não cortei o meu cabelo, porque não fui a um barbeiro nem recebi nenhum em casa. Queixo-me porque não consigo aceitar que os barbeiros e cabeleireiros continuem encerrados, ora missas!
Queixo-me porque não entendo como é possível eu ser um dos raros exemplos vivos de uma pessoa que está a sofrer as consequências dessa medida catastrófica. Eu e os profissionais do sector, evidentemente.
Mas queixo-me sobretudo, porque todos os dias vejo os ministros e deputados, e o Presidente da República, sempre com ar de pessoa muito bem tosquiada. De aspeto irrepreensível, barbeados com rigor, cortes à inglesa, à escovinha, e até mesmo os "negligés" aparecem com ar de bem aparados, os futebolistas, então, é cada jogo cada corte diferente.
Pois então eu não percebo como é que eu fui perder o comboio dos que, mesmo sem haver cabeleireiros abertos, nos surgem à frente como se em cada esquina houvesse uma barbearia a laborar. Não percebo! Sinceramente não percebo como é que isso é possível, como é que isso está a acontecer bem por debaixo das minhas barbas!
Bem sei que há sempre um elemento prestável nas famílias. O cunhado que tem uma bimby de cortar cabelo, a esposa dedicada que se presta a cortar uns rancos, umas repas, uma prima que tirou um curso profissional de cabeleireira e, às duas por três, dá uns toques na arte da tesoura...
Cos diabos, eu que até tenho amigos no sector, eu devo andar a dormir na forma, de certeza. Toda a gente aperaltada, de cara lavada, com ar de metrosexual e eu com este aspeto javardola, de louco cinquentão. Não entendo. Sinceramente!
A sério. Não percebo bem este fenómeno, ou se calhar percebo. Deve ser igual a tantos outros fenómenos, sempre que impliquem o nacional desenrascanço. Não há cabeleireiros abertos mas toda a gente parece ter o seu cabeleireiro clandestino ali bem à mão de semear.
Fenómeno idêntico a este só me lembro quando houve uma grande crise de bacalhau, era eu um miúdo. Mas toda a gente tinha bacalhau! Essa é que era essa!
Ele aparecia, o fiel amigo... e o barbeiro também. O Barbeiro é como o bacalhau, fiel amigo que nunca nos abandona! Vivam as barbeiras e os barbeiros!

domingo, 7 de março de 2021

 Auriol Dongmo e Pedro Pablo Pichardo, dois atletas portugueses não nascidos em Portugal e não descendentes de portugueses, levaram o nome de Portugal ao mais alto galarim do desporto europeu. Ambos de cor negra, como tantos outros que escolheram Portugal como a sua nova Pátria. Uma Pátria que vota em partidos que bradam aos ventos "Estrangeiros, pretos, ide para a vossa terra"! Uma Pátria que, apesar destes energúmenos políticos e dos milhares de acéfalos que votam neles, só tem é de estar agradecida a estes dois cidadãos e a tantos outros que, dia após dia, procuram uma vida melhor e, graças a esse seu labor, tornam o nosso país uma nação maior.

Pela minha parte e no que me toca dizer, é simples: Obrigado, meus caros concidadãos.

sexta-feira, 17 de julho de 2020

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali..."

Cântico Negro - José Régio

Está consumado o maior "Quebra Espinha" do Futebol Português. A saber, de um momento para o outro, tudo se inverteu, tudo, e não foi só no universo benfiquista. 

Um Presidente que despediu e destratou um treinador, um treinador que disse e fez cobras e lagartos contra o Benfica, um público benfiquista que destilou ódio contra o técnico, adeptos anti Benfica passaram a venerar o treinador, o seu futebol maravilhoso, (todo o país viu e torceu pelo Flamengo de JJ, um português a impor-se no Brasil), etc. 

E de repente, de um momento para o outro, tudo ao contrário. O Presidente a dar tudo para ir buscar o treinador, o treinador a mandar aos papéis um contrato no Brasil para regressar ao clube que tão mal disse dele, os adeptos a engolir tudo o que disseram e pensaram sobre o treinador. Os adversários a puxar pelos argumentos esquecidos como, "vaidoso de sempre" "egocêntrico empedernido", "rei da bazófia" "atentado à língua de Camões", etc.

Todos a quebrar a Espinha! Um fartote.


Não me peçam para estar contente com isto, porque não estou. Mas neste Benfica de Vieira nada me surpreende. 

É que eu tenho um "problema" que norteia toda a minha vida: eu comecei a ler José Régio ainda era um menino e aprendi que a Espinha não é para se quebrar.

quinta-feira, 9 de julho de 2020

O Benfica perdeu este campeonato. Foi azar!
Eu podia dizer que perdeu para o pior Porto dos últimos 30 anos, mas não digo. Podia dizer que o perdeu para um clube intervencionado pela UEFA, que começou a época com cenas de pancadaria entre o treinador e o capitão, mas não digo. 
Tenho de saber "ser agradecido" ao melhor presidente do meu clube desde a sua refundação, desde 2003.

Eu podia dizer que o Benfica perdeu este campeonato para um clube cujo treinador se demitiu em directo para as TVs, dizendo à boca cheia que punha o "lugar à disposição do presidente porque no clube não havia união", mas não digo. Podia dizer que perdeu o campeonato para um clube que teve de pedir um empréstimo à banca para pagar salários do mês de Abril, que viu o jogador mais caro do plantel recusar treinar, Mas não digo.

 O que digo é que tivemos azar, que o nosso presidente não merecia!  

 Eu sei que podia dizer que perdemos um campeonato logo numa altura em que temos uma pujança financeira invejável,., mas isso não interessa. Foi Azar. O nosso presidente não merecia.  
Podia dizer que apesar dessa pujança estamos a desinvestir nas modalidades amadoras, fizemos um Empréstimo Obrigacionista, antecipámos metade das receitas de TV e estamos muito perto de vermos o nosso presidente ser acusado de ter usado o Benfica para obtenção de vantagem pessoal, mas isso não digo. Tudo isso só pode ser dito pelos adversários, que foram eles que inventaram tudo. A mim, como benfiquista, só me compete apoiar e saber "ser agradecido" ao nosso presidente.

Eu até podia dizer que o Benfica vai agora contratar, caso ele queira, o treinador que foi despedido, acusado em tribunal, destratado pelos homens fortes da comunicação do clube, excomungado pelo presidente por mais de uma vez e com juras de nunca mais admitir o seu regresso ao clube, mas não digo. 

Bem podia eu dizer que o que o Benfica precisa é de uma mudança a sério e que uma mudança a sério não é ouvir um vice presidente dizer, com aquele ar boçal, que "É altura de entrar num novo ciclo, com foco na componente desportiva"... uma mudança a sério é sim correr com todos os órgãos sociais do clube através de Eleições democráticas, limpar a BTV do servilismo pornográfico ao presidente e dar início a um novo ciclo sem negociatas, sem esquemas, sem parcerias estratégicas, sem andrades e sem lagartos. 

Mas não digo. O nosso presidente não merece. O nosso presidente salvou-nos e o que eu devo fazer agora é saber "ser agradecido".
  

sábado, 25 de abril de 2020

A nossa língua...
A sério, da nossa língua já Cervantes dizia que era a mais musical de todas. E não consta que ele tivesse grafonola...
E no que toca a amar esta língua portuguesa, no que respeita ao tesouro depositado por estes séculos afora pelos nossos grandes poetas e escritores mágicos de aquém e de além mar, o pormenor de ser Francisco Buarque de Hollanda o primeiro cantautor a ganhar o maior prémio de literatura da Língua Portuguesa...
Que bom perceber esse pequeno pormenor e ao mesmo tempo ter a certeza de que Torga, Jorge Amado ou Saramago não teriam desejado melhor.


Dylan, o maior de todos eles, já  tinha ganho o Nobel da Literarura e pode ser que um dia a Academia Sueca se lembre do Chico. Do grande Chico Buarque! #premiocamões

quinta-feira, 12 de março de 2020


 "O Luxemburgo, quente e branco. Estátuas, pombos, crianças".
"Junto do repuxo um barquinho parecia perdido, inclinava-se, afundava-se lentamente. Todos riram. Um miúdo tentava apanha-lo com uma vara."

Jean Paul Sartre in A idade da Razão

Li este livro, tinha eu dezanove anos! Devorei-o, aliás.

Passados estes anos todos fui lá. Andei por ali, fiz aquele percurso, Montparnasse, o Quartier Latin, a Sorbonne, o Boulevard Saint Michel.
Enfim vi a Paris que estava dentro de mim.

segunda-feira, 9 de março de 2020

Max Von Sydow, o actor de Bergman em o Sétimo Selo, deixou-nos. O  actor que encarnou aquele homem  da idade média que  jogou xadrez com a Morte que vinha em barda naqueles tempos, e em forma de
Peste Negra. Hoje mesmo, e ainda, anda a humanidade a jogar xadrez com o adversário de sempre, essa Morte cruel e fria, que desta vez nos  ameaça com outra roupagem, outra peste.
#Rip #maxvonsydow #bergman
Web Analytics