quarta-feira, 18 de março de 2015

Mandaram um portista de Singapura escrever que o Benfica só ganha contra dez, foram buscar um artigo do Colina para acusarem o Benfica de fazer bloqueios (mas nem leram o artigo, senão ficavam era calados), a SporTV inventou uma nova realidade: a descodificação da linguagem perante um cartão e põe um jogador do Setubal a dizer, na imaginação deles, "nem lhe toquei", precisamente num jogo contra o Benfica. Pegaram num relatório que mostra uma esporádica liderança de audiências do Porto Canal, como se isso fosse uma vitória, mesmo sabendo que a BTV tem dois canais por subscrição, ou seja, antes de sintonizar o canal é preciso pagar. Anunciaram aos quatro ventos que o  clube deles fez grande façanha ao atingir os quartos de final da Champions League, gabando-se de tal feito ter sido apenas deles (o de agora e o último há seis anos - claro que se esqueceram do Benfica de 2011/12 que também atingiu tal meta). Fartam-se de chorar por tudo e por nada, por lançamentos laterais e cantos mal assinalados, por "patadas", por expulsões legais dos seus jogadores, por  nomearem para o Benfica sucessivamente árbitros do Porto, por tudo e por nada choramingam. Até desenterraram o Domingos, paciencia, o Kleyton, o Secretário, etc.

 O Benfica, por sua vez, continua sólido na frente, com vantagem cabal e a jogar futebol, enche o seu estádio e sustenta os aflitos com records de assistências nos seus campos. Chega ao cúmulo de pôr, através do seu futebol estonteante,  jornalistas pseudo independentes (este "pseudo" deveria estar atrás do jornalista, bem sei) a proclamar o grande futebol do Benfica e o enorme trabalho do seu treinador, precisamente uma semana depois de terem andado a dizer que o Benfica é levado ao colo. Temos pois um Benfica forte e unido, disposto a ser Campeão e a fazer por isso. Do outro lado temos a reação: os que se afidalgaram desta porra toda nos últimos anos e que agora lhes custa imenso voltar para a caverna da sua existência e os outrora fidalgos que, de arruinados, até já proclamam segundos lugares com o pomposo título de "Vice Campeão".

Ora perante isto, e perante muito mais ridicularias que quem como eu é benfiquista e vive no norte ouve todos os dias nos cafés, barbearias, talhos e mesmo salas de jantar eu pergunto: SOU EU QUE ESTOU COM MEDO?

sábado, 17 de janeiro de 2015

EIS A VERDADE DESPORTIVA Jogo Penafiel- F C Porto: - 8 minutos: Rabiola ganha lance sobre Indi na linha final,não sei se foi na área mas foi empurrado para fora de campo. - 20 minutos: cotovelada de Casemiro amarelo. - Primeiro golo do porto fora do jogo. - Segundo golo do porto fora do jogo a bola está atrás de Martinez pode-se ver pela linha pequena área. - Terceiro golo do porto falta de Jackson que dá cotovelada no pescoço antes do cruzamento. Bola cabeceada por Casemiro contra Oliver; a bola vem de novo para Casemiro que está fora de jogo e fora de campo,centra para Oliver mas beneficia de ressalto em fora de jogo. Conclusão: Não venham praqui falar em andores. Obrigado

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Para todo aquele que vai ou tenciona ter um cãozinho neste Natal, todo aquele Ser Humano que vai adorar a experiência linda e ternurenta de receber um cachorrinho neste Natal, quase todos aqueles que vão certamente receber um Cão de Raça, com "pedigree" e essas coisas todas que elitizam os caninos, sim, talvez para ti também que me estás a ler, tomem todos atenção a uma coisa, aliás a muitas coisas: o Cão é um animal que consegue amar o seu próximo 35 milhões de vezes mais, ou mais, do que um ser humano. O Cão só dá e não quer saber se recebe. Aliás, o Cão se recebe fica feliz e mostra-o, e no dia seguinte não vai reclamar nem fazer uma revolução se nada receber.
O Cão não tem tédio. Isso não existe na sua vida inteira. Ele pode ficar a tarde toda deitado ao pé do Amigo Ser Humano, se essa for a vontade do Amigo Ser Humano, ou pode passar o dia inteiro a brincar, desde que esteja presente, desde que participe. O Cão, caro amigo, não é um brinquedo que se recebe de prenda e de que nos fartamos a seguir. Que se substitui, que se deita fora. O Cão não é uma moda nem um acessório nem tão pouco um animal que se veste com roupas lindas no inverno e se abandona ao frio do esquecimento no verão.
Um cão é um ser que entra na nossa vida e não quer sair jamais. Por isso, caro amigo, se não consegue perceber que "ter" um cão não é posse mas sim partilha, então peça ao Pai Natal ou ao Menino Jesus uma Playstation.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Ah, vcs nem imaginam o gozo que é comemorar nesta cidade um titulo do Benfica. Nem imaginam!
Metemo-nos no carro artilhadinhos de cachecois do Benfica, zarpamos para o Porto (vamos de Gaia) e antes de atravessarmos a ponte eu aviso com voz grave "atenção, vamos entrar em Palermo, toca a descaracterizar e esconder tudo o que são acessórios do Benfica". E assim entramos na bela cidade do Porto que nem seminaristas inocentes. Os cruzamentos são um perigo por causa dos semáforos.
Sente-se a adrenalina. E a cereja é quando vamos numa artéria, uma fila de carros, alguém buzina e cá dentro uma voz "Buzina aí também". A medo lá sai uma apitadela e, de repente, como que por magia surge um turbilhão imenso de buzinadelas. Todos os carros em brado, todos. E as bandeiras e os gritos ao Benfica...um destemor, uma loucura.
 O Benfica na clandestinidade é tão mais saboroso!...
Depois é estacionar o carro num sitio discreto e ir para a Rotunda da Boavista aos saltos. Ver ali a policia a desviar o trânsito, preparada para o que possa acontecer mas sempre com aquela sanha siciliana contra os adeptos encarnados. E todos nós, benfiquistas portuenses, dos mais sofredores, dos mais leais e dos mais invictos, porque jamais nos venceram estes labregos, todos nós, dizia eu, em festa num regozijo destemido. É o Benfica na sua universal pureza, não numa canção de Lisboa mas sim numa imensa Ode ao júbilo e ao amor por um clube e uma causa que jamais alguém no mundo ha-de saber explicar.
No final é o regresso a casa, as mesmas ordens de camuflagem e a volta a ser feita pela praça, os Aliados. E ver em cada pessoa um dragaozito ja sem chama, apagado na sua frustração. E fazer um filme "olha aquele está ali a ver se descobre algum benfiquista e pronto a mandar um SMS ao macaco". E é então que atravessamos a ponte a gritar e a cantar. Vambora pra casa que o Benfica é campeão!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

onde tudo começa é no outono. nas árvores com folhas amarelas de mais, nos ventos agrestes e nos sóis mais raros. é no outono que se fazem os mais secretos planos. não de férias nem de empregos nem de mudança de vida. planos de usar pijamas quentes, calçar meias grossas e beber vinho doce enquanto as castanhas não descem de preço. é no outono que se rivaliza no futebol, ainda todos podem ganhar, e é no outono que os mais organizados começam a comprar coisas para o natal. é no outono que a gente mais se manifesta e é no outono também que se modera mais a linguagem e os modos. é no outono que estamos e é no outono que se começa a beber vinho tinto.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Para os pedrosenses

Este indivíduo que aparece na fotografia que eu captei por ocasião do encerramento da Repartição das Finanças dos Carvalhos, de megafone na mão, encenando reclamar um equipamento que o Governo Central retirou à população do Sul de Concelho, presidente da Junta de Freguesia de Pedroso, já por cá anda há mais de 20 anos e persiste em por aqui andar por muitos mais anos porque o poder calcinado nas teias dos favores, no marasmo do "deixa pra la", no faça-se o que for preciso fazer para que tudo fique na mesma, de tudo se serve para que tipos como este sejam os novos Regedores das Freguesias.

Outrora impostos pelo Poder Central, os Regedores eram os senhores da terra. Os que mandavam. Hoje, porém, a Nossa Democracia, dotada de leis de mão, artimanhas legais e a caça ao voto - vejam o que ele fez há dias quando levou os velhinhos a almoçar em terras de Fátima, passando a jornada a chantagear os nossos seniores que "se não votarem em mim para o ano não vai haver passeio"- não mais faz do que perpetuar no poder esta fauna de caciques, gente de mão, cristalizada no expediente "natural" de fazer vida à custa da Democracia.
A Democracia tem de ser, em primeiro lugar, um instrumento que garanta a rotatividade no poder, que elimine o cargo vitalício. A nossa Democracia, a nossa jovem Democracia, definha nos vícios do antigo regime, na epilepsia do favor, na estalactite do "Capo Regime".

Por isso mesmo, pedrosenses, é hora de dar um coice de mula a gente como esta. É hora de apoiar a renovação, dar lugar a outros, conceder a oportunidade de gente nova, sem vícios, de mostrar outro tipo de capacidade, outra forma de tentar ajudar a comunidade a crescer e a valorizar-se.
 Já que estes dinossaurozinhos de paróquia não se enxergam, não percebem os princípios fundamentais da Democracia, saindo de cena por mão própria, que seja a Democracia, através do acto eleitoral, a correr com eles daqui para fora. Oxalá!