segunda-feira, 11 de julho de 2016

Parabéns a estes putos que foram a França fazer história contra o cepticismo de quase todos nós. Hoje, é tempo de celebrar este momento excepcional da portugalidade, da diáspora. E obrigado a estes miúdos por colocarem a imagem de Eusébio junto da Taça. Eusébio merece. Não por ter sido o melhor mas sim por ter sido um exemplo do talento e do querer, sentimentos aliados ao sofrimento do "sentir Portugal". Eusébio sentia Portugal como poucos, embora não tivesse nascido na península. Como sente Pepe, que nasceu em terras de Vera Cruz, como sentem os filhos de África desta nova geração, os filhos dos ciganos, os filhos dos insulares, os filhos dos emigrantes. Todos eles somos nós e Eusébio é todos eles. Obrigado, miúdos

quarta-feira, 29 de junho de 2016

bebamos!
não fazem falta lâmpadas!
basta um dedo de dia para as grandes
copas multiadornadas vamos
ergue-as! o
filho de sêmele e zeus
diôniso
nos deu aos homens vinho
lassidão contra a dor - olvido:
a cada parte de água duas
só de vinho assim
plenas até a borda
bebamos -
uma após a outra - copas
e mais copas!
Alceu - Fr.96 Diehl
(E.Munch, 1895)

segunda-feira, 20 de junho de 2016

uma frase do dia, de todos os dias.

...para mim, pessoas mesmo são os loucos, os que estão loucos para viver, loucos para falar, loucos para serem salvos, que querem tudo ao mesmo tempo, aqueles que nunca bocejam ou dizem chavões, mas queimam, queimam, queimam...
 Jack Kerouac

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Terias muito mais fiéis se tivesses sido capaz de te manifestar quando o outro Governo, por questões ideológicas, cortou com os subsídios para o Ensino Especial, o tal cujos alunos são rejeitados pelo ensino privado como se vivêssemos na idade média, onde os deficientes eram depositados nos currais e hoje há tantos casos de deficientes que ficam em suas casas porque os pais não podem pagar a propina. Terias muito mais fieis se por ventura te tivesses manifestado quando o outro Governo encerrou Escolas Públicas na província, fazendo com que crianças tenham de se levantar às 5 da manhã e fazer uma longa viagem para poderem usufruir de um direito fundamental, que é o Ensino, a Instrução, como bem se dizia no tempo de Salazar. Quando o outro Governo cortou direitos adquiridos a milhares de professores, barrou o acesso de professores ao trabalho justo e honesto, fazendo com que os que ainda continuam ficassem sobrecarregados com turmas pesadas, com "paper work" a dar com um pau, com avaliações medievais. Faz um esforço, cara Igreja Católica Portuguesa e quando, por questões ideológicas não te revês em certas matérias fracturantes, então cala-te e deixa lá os neoliberais sequiosos de dinheiro entregues aos seus lóbis. E não sejas lobi. porque eu acredito num Deus e não numa Instituição Lobista.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

A propósito da questão Colégios Privados versus Escola Pública, acabei de ouvir: "Não havendo Deus, não há autoridade." (Pedro Arroja no ‪#‎portocanal‬). 
Ora, o meu Deus não é autoritário, e sou católico! O "antigo" entendimento do Deus Católico, sim, era autoridade, era descriminação, era um labirinto de preconceitos. Chegou a ser racista, misógino, elitista. O Deus Católico dos nossos dias, melhor dizendo, a sua interpretação, está bem patente no espírito do actual líder da Igreja Católica. É, portanto, o Deus que acolhe e dá. Não manda coisa nenhuma!

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Ian Curtis deixou-nos há 36 anos. Eu tinha 14, e já ouvia pink floyd, deep purple, neil young, graças ao meu irmão e aos meus amigos mais velhos. O Fernando, o Vitorino, o Sá e o Morgado. Depois, vieram os wham e outras cenas de que eu não gostava nada. Duran duran, ok, queen, fixe, mas um dia ouvi joy division no progarama dois pontos, de rui morrison, creio (nessa época eu só gostava de ouvir coisas estranhas, como tangerine dream e outras couves intragáveis). Quando descobri joy division ja não havia Ian mas também já não havia hendrix, morrisson...
Eram os gloriosos anos oitenta. As descobertas, as folhas caídas e o que era novo e fresco. The cure, u2, the cult. E depois parou tudo porque em 85 descobri os the smiths. Aí parou tudo e só nos intervalos conseguia ouvir outra coisa, outras coisas.
Faz hoje 36 anos que o ian nos deixou.

terça-feira, 10 de maio de 2016

É muito fácil perceber a bela equação da Direita: quer que os ricos estudem em bons colégios privados que lhes "dão" as melhores notas para entrarem nas excelentes universidades públicas, enquanto os pobres devem permanecer nas empobrecidas escolas públicas e assim serem empurrados para as péssimas universidades privadas.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

“O CAPTAIN! my Captain! our fearful trip is done,
The ship has weather'd every rack, the prize we sought is won,
The port is near, the bells I hear, the people all exulting,
While follow eyes the steady keel, the vessel grim and daring;
But O heart! heart! heart!
O the bleeding drops of red,
Where on the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.

O Captain! my Captain! rise up and hear the bells;
Rise up - for you the flag is flung - for you the bugle trills,
For you bouquets and ribbon'd wreaths - for you the shores
a-crowding,
For you they call, the swaying mass, their eager faces turning;
Here Captain! dear father!
This arm beneath your head!
It is some dream that on the deck,
You've fallen cold and dead.

My Captain does not answer, his lips are pale and still,
My father does not feel my arm, he has no pulse nor will,
The ship is anchor'd safe and sound, its voyage closed and done,
From fearful trip the victor ship comes in with object won;
Exult O shores, and ring O bells!
But I with mournful tread,
Walk the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.” 
― Walt WhitmanLeaves of Grass

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Ao Espelho

E de repente chegas aos 
quarenta e tal anos 

e palavras como colesterol 
hipertensão astigmatismo 

começam a invadir a tua 
vida... Olhas para trás e 

o que vês? Uma pomba 
com uma das asas ferida 

condenada ao mais terrí- 
vel pedestrianismo 

Jorge de Sousa Braga, in 'Porto de Abrigo' 

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016





Um belo dia fui ao cinema "sala bebé", no Porto, ver "Merry Christmas, Mr Lawrence" Num dia em que íamos ao cinema ver arte. A arte nunca morre. Good Morning, Mr. Bowie

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

"O Benfica quer sempre estar em primeiro. Essa é uma realidade e não a podemos esconder, era obviamente algo que não queríamos mas é a realidade e resta-nos lidar com isso. Vamos continuar o nosso caminho." NÃO AGUENTO MAIS ESTE DISCURSO....A SÉRIO!!!!

domingo, 22 de novembro de 2015

Toda a gente viu que esta equipa não jogou nadinha e toda a gente viu que o treinador falhou. E toda a gente viu que a jogar assim é impossível derrotar duas equipas em simultâneo, mesmo que sejam fracas. 

O lugar de um benfiquista é ao lado do seu clube!
Baixar a cabeça?! Só para beijar o símbolo.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

breve contribuição para a preservação do rojão do redenho

Numa frase daquelas que rolam nas redes sociais diz-se que não há melhor amigo do que aquele que adora comer, ou melhor, que á cada vez mais à mesa que se cultivam as amizades reais, já que a espécie humana, para além de se servir do dildo e do smartphone cada vez em maiores quantidades, insiste em criar e manter a sua condição de ser gregário através das redes sociais digitais. Sim, digitais porque também ainda existem redes sociais físicas e essas estão cada vez mais condicionadas pela nobre função gastronómica onde, à volta de uma mesa, se fazem os mais complexos tratados de amizade, casam-se os namorados, afinam-se os movimentos politicos, preparam-se as revoluções e mata-se o bicho, vá.
Por isso, sempre que alguma entidade mor se atreve a nos reduzir a margem de manobra gastronómica  ao dispor das nossas parcas carteiras, isto é, tirar-nos o apascento de uma moira, a tranquilidade de uma loncha de presunto ou a altivez de um rojão do redenho, isso implica que o factor solidão/isolamento cresça em cada um de nós de tal forma que um dia ainda vamos ter que reaprender a encarar pessoas de frente nos tempos livres de que dispomos. O que não se afigura nada fácil, creiam-me, até porque a religião já se tinha encarregue de nos separar gastrogeograficamente.
Vem isto tão a propósito que eu até ando a ler um livro (1) sobre a Primeira Guerra Mundial e que diz, por exemplo, que na França andaram a confiscar cabras para dar de comer aos indianos que foram aos milhares para ali, em ajuda aos aliados, e não podiam comer vaca, cum catano! E o pobre agricultor, que se queixou e bem, tinha de se lhe ver requisitadas as cabras, depois de lhe terem levado os filhos e de lhe terem comido o pão. Raios, ao menos não lhe levassem os olhos para que pudesse chorar, como chorou, dissera um deles.
 Acho pois todo esse alarmismo da OMS contra os enchidos, fumeiros e afins, de que provoca o cancro somado ao já estafado veredicto de que nos lixa as coronarias e portanto nos mata,  uma espécie de contribuição imoral para o extermínio da humanidade enquanto grupo de pessoas e consequente criação de uma especie estranha de hominídeos que se alimenta de erva disfarçada de croquetes da avozinha.
 De modo que, e para fazer um certo lobi junto de quem me possa estar a ler, acho eu, e é bem que o diga, que essa tal organização mundial não passa de uma seita recheada de religiosos inimigos do porco e suas transformações e outros fanáticos vegan e aposto que deve andar por lá um que é primo do dono da Lusiaves.

(1) O Grande Rebanho, de Jean Giono




quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O Presidente da Republica, Cavaco Silva, acaba de indigitar o líder do PSD para formar Governo. É um direito que ele tem e eu não o posso contestar embora não concorde, embora possa entender que podia ter sido tomada outra solução. Ponto final parágrafo.

Parágrafo mas com uma grande ressalva. É que o PR, sendo um homem de Direita, antigo primeiro-ministro à custa dos votos dos que nele votaram, não pode nunca tecer as considerações que teceu acerca de partidos que tiveram votos nestas eleições, que são legais e que jogam as regras democráticas que norteiam o nosso país. Partidos que têm eleitores, milhares de eleitores.
 O PR é, devia ser, o Presidente de todos os portugueses, não é um labrego qualquer, tem perfil de institucionalista mas padece de um mal: julga-se líder supremo de uma seita e tudo faz para a salvar, para a manter na ribalta do poder. Mas como é possível um PR actuar desta maneira? Só o pode fazer porque este país não tem um verdadeiro júri, que devia ser o Tribunal Constitucional, que o deveria impedir de ter o discurso que teve.
 Nna verdade o que o PR disse foi que ele apenas escolhe governos por via da visão que tem ao nível do carácter dos partidos.  
Então para que há eleições, pergunto eu? Para que nos pedem para votar? Para que é que financiam partidos com orientações diferentes das destes senhores? Estes partidos são ilegais se forem contra o Euro? São ilegais se forem contra a NATO? Ou só o são, pelos vistos, quando o PR verifica que eles passam a ter uma voz activa na formulação de um Governo que, pasme-se, vai contra o poder instalado?
Penso portanto, e quero daqui gritar, que isto é uma injustiça, uma golpada, uma ditadura disfarçada. Se me autorizam a votar num determinado partido, não podem vir agora tecer ataques de carácter contra esse partido só porque ele obteve um estatuto de decisão governamental através de VOTOS LIVRES, tão livres como todos os outros. Sinto-me portanto ultrajado, desrespeitado nos meus direitos como democrata e cidadão quando o PR do meu país considera, de forma completamente orweliana, que há votos mais democráticos do que outros.


 Eu votei num partido legalmente constituído e no qual eu acredito e me revejo e apenas quero que ele seja respeitado, principalmente pelas instituições democráticas que deviam ser o mais firme alicerce da democracia que vigora em Portugal.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

aprendi que democracia=direita. só há democracia se a direita ganhar.


Mais de 40 anos de democracia e de governos de direita que nos levaram para a miséria. 

Chega de sermos explorados por uns quantos, basta de humilhação. Veja-se a Suécia Estado Membro da União como nós e onde se trabalha apenas 35 horas por semana e nós, aqui com empregos precários e os patroes a forçarem os empregados a assinar isenção de horário só para que possam estar nos locais de trabalho até AS 22 HORAS, por exemplo, e ninguém lhes poder pegar!
 
Querem a Direita que nos deixou Um país com salário minimo miserável, com um sistema de Saude ligado à máquina dos Hospitais Privados e com um sistema de ensino oferecido aos colegios privados que recebem milhares do Estado só para alimentar a fortuna de alguns e as escolas publicas a fechar e os professores metidos num colete de forças, a terem que trabalhar até aos 65 anos, enquanto os colegas europeus começam logo aos 50 a comprar autocaravanas e a planear belos passeios por Portugal, país onde tudo é barato e as pessoas são simpaticas, pois falam linguas, sabem de tudo mas servem à mesa, fazem camas, tal e qual os seus pais e avós faziam em França e outros paises mas só que esses não tinham instrução? Um país que forma enfermeiros, medicos, engenheiros, arquitetos, cientistas e tem de os mandar para fora porque aqui está tudo tomado nas maos do Capital e da especulação? Um país de desgraçados sem esperança no futuro? Um país onde as filas para a sopa dos pobres são maiores do que as filas para o cinema...?
Tenham juizo e deixem a Democracia Funcionar.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

"Existem coisas que nos lembramos mesmo que elas possam nunca ter acontecido."
Harold Pinter

Pois é amiguinhos portistas, isto da solidariedade não vai com brilho à custa dos outros. Vai com ser solidário de facto, cumprir com a palavra. E como estas coisas têm de ser lembradas, porque existe memória, e a propósito desse gesto de grande solidariedade do F C Porto para com os refugiados migrantes e que só fica bem ao vosso clube, diga-se, pergunto-vos se por acaso o Terramoto no Haiti em 2010 vos diz alguma coisa enquanto portistas solidários? Não diz nada, claro. Mas a nós, benfiquistas, diz-nos muito porque o nosso clube contribuiu com 500.000,00€ para ajuda às vítimas dessa tragédia, sem grandes alaridos mas cumprindo, que é o que se impõe nestas alturas.
 O vosso Presidente nessa altura não se lembrou nem de ajudar nem de pedir que ajudassem, o que não constitui crime nenhum, que fique bem claro. Mas nesse ano de 2010, e pouco mais de um mês depois, houve uma outra tragédia que nos tocou, a nós portugueses, bem mais de perto: as cheias do Funchal. Lembram-se? Aquele aluvião que destruiu tudo na sua passagem? Pois foi, e sabem que clube português contribuiu para ajudar as vítimas? O Benfica, claro está, que através da sua Fundação pagou a construção de três casas e entregou-as a três famílias, e isto passados apenas cinco meses da tragédia, repito, cinco meses depois da famigerada tragédia!
 O F C Porto, por sua vez, e porque nos tocava a todos mais fundo, lá resolveu ser solidário. Através do seu Presidente prontificou-se a fazer um Jogo de Beneficência no Funchal entre o seu F C Porto e um misto de jogadores da Madeira e com a presença do grande Cristiano Ronaldo, que até teria já garantido a sua disponibilidade para participar, vejam bem. Foi lindo aquele anúncio no JN de 22 de Fevereiro de 2010 (podeis ir ver que a notícia ainda está na Net). Mas a verdade, meus amigos, a verdade verdadinha é que o jogo ainda está à espera de data, é o que é! Sem tirar nem pôr.


Isto cá para nós, há por aí alguém ligado à estrutura do F C Porto com um pingo de vergonha e trate de cumprir a promessa antes que o CR7 termine a sua brilhante carreira de futebolista? Ou aquilo foi só para inglês ver?

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Não, não vou por aí.

Eu pertenço a uma geração que começou a dar os primeiros passos na primavera marcelista e aprendeu a ler em plena revolução. Depois, apanhou professores desfasados dos manuais marxistas que lhes impuseram, até que um dia vieram os retornados e os turras. Toda a gente tinha medo dos turras, os pretos que haviam de vir para cá por causa das ex-colónias. Mas eram os retornados que mais a gente temia. Dizia-se que vinham tantos e era preciso dar de comer àquela gente, hordas de bem falantes da nossa língua, brancos bem penteados e com hálito a coca-cola. Uma tribo assim tão conhecedora do mundo novo, experimentada em grandes estradas e outras empreitadas, estava a chegar e a pobre gente do velho império ouvia nas missas o aconchego dos padres. Era preciso pedir ajuda à fé para bem entender esta invasão que nos ia tirar os empregos, o pão, as terras e sabe-se lá mais quê.
E naquele tempo, as televisões eram uma para cada cinco casas, e os jornais eram três ou quatro, e as vendas de vinho e as barbearias eram as redes sociais onde tudo era falado e discutido e o medo e a incerteza andavam errantes, de segunda a domingo, por entre tristonhos telejornais e a rádio renascença que a todos acudia com canções pedidas e saudades em carne viva. Saudades dos nossos portugueses que iam quase todos os dias para a França, a Alemanha e outros sítios lá longe, onde se ganhava dinheiro para um dia voltar e morrer em paz na terra amada, na pátria eterna, em Portugal.

Não, não vou por aí.

Hoje tudo é diferente, menos o medo. E a emigração. A viagem que se faz, que não de comboio e mala de cartão mas sim de avião de baixo custo e i-pod, e a saudade que se canta e o dinheiro que se vai buscar lá fora. A nossa sina. A sina de um povo que desde o dia em que lhe mataram Viriato teve de se pôr a caminho porque daí para cá a europa e o mundo só o quis explorar. Mais nada.
Fomos e viemos, vamos e vimos. Tocamos o mundo, seja onde for, e assim será sempre.
Cá continua a haver de tudo. Desemprego, falência, injustiça, pobreza, miséria. De tudo. E desassossego também. E medo e ignorância.
Espera-se outra vez que os senhores padres nos sosseguem nas missas e lêem-se os jornais todos, centos deles, e ouvem-se as rádios todas e em todas as horas as noticias na televisão e os programas de comentadores e o Facebook. A gigante venda de vinho, a grande barbearia do nosso tempo, o Facebook, onde todos dizem qualquer coisa e onde todos comentam o que é dito, onde fala o burro e zurra o cavalo iliterado e pacóvio. E o medo cresce porque não há sossego nas almas sãs da casta gente. Que trabalha e tem casa para pagar, já sabemos, que tem filhos na escola, que tem a mulher no desemprego e os pais doentes e a reforma é pequena e o país está falido e as festas medievais é que são boas. E os refugiados, esses vilãos terroristas, que vão para onde quiserem, que não venham para cá.

Não, não vou por aí.

Não vou mesmo, garanto. Não vou alinhar com esse medo absurdo, ignorante e hipócrita dos migrantes, hordas de gente a invadir o meu país. Não vou estar de pau na mão à espera dessa gente mal vestida e assustada que disfarça a sua índole maléfica, escondendo terroristas por debaixo das saias. E que ainda por cima é muçulmana! Não vou estender-lhes o dedo culpando-os da minha vida miserável. Dos erros que cometi, dos políticos que elegi e da sociedade mesquinha, egoísta e cruel que ajudei a erguer. 
Não, não vou por aí, Não vou alimentar os burros falantes, os ferrabrases . Vou antes agarrar-me com unhas e dentes à sanidade mental que me resta e me faz pensar nos meus amigos que emigraram, naqueles meus  concidadãos que um dia tiveram de vir para cá e que se adaptaram aos nossos costumes e trabalham e vivem como eu, e finalmente nos que andam por esse mundo à procura de um rumo e podem ter de vir parar aqui e a quem, pela minha parte, juro-vos, hei-de olhar de frente e, na falta de mais alguma coisa, de certeza que lhes darei respeito e admiração, de certeza que lhes darei a minha mão.