Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2007

papiros

Imagem
De Minde, aprecio o desvio da estrada que nos leva para a grande cidade a sul e, consequentemente, penetrar nas ruelas do velho burgo, quase assustado, um estranho sem dúvida, e logo numa tarde de sol com meia dúzia de pessoas calcorreando os velhos passeios. Depois, entrar naquele café esquisito, cujo nome, por esquisito, não me recordo mas que tem muito jazz nas paredes e muita cultura nas entranhas. Tem Sagres e jornais desportivos, mas nota-se a fervura em lume brando dos cozinhados tertulianos. De Minde sabe-se que fica ali para as serras, a caminho de Alcanena, ou Alcanede que não estou certo, pois sou Marujo de jangada e escrevo sempre em cima do joelho, conforme me palpitam as coisas da alma. E De Minde veio também uma "escritora wildeana", que não conheço de resto, mas a quem espreito diariamente as suas coisinhas, aqui. Paula Capaz vai lançar um livro "O Táxi que me apanhou", editado pela Papiro, uma editora que presumo tem raízes no jornal "Comércio…

equívocos

julguei que te tinha visto por mais de uma vez, mas, afinal, aquela sombra não era a tua. aquela silhueta a combinar com a luz que relevava a calçada e me transmitia uma harmonia parva, não era de uma pessoa que eu já tivesse visto antes, não era de alguém que me pudesse acenar timidamente e depois revelar-me segredos como se eu fosse um cofre dos reinos de neptuno. julguei que te tinha visto sem te ver, que tinha penetrado nos teus lugares sagrados, nos teus silêncios, e que estava assim habilitado a viajar entre os olhares e os toques e os cheiros...

cinema vivo

Imagem
Ennio Morricone vai receber hoje um Oscar Honorário em homenagem à sua vastíssima obra musical para cinema. Todos se lembram dos "Westerns Spaggetis" de Sergio Leone e que pariram para o mundo esse excelente Clint Eastwood. Mas Ennio Morricone é muito mais do que isso, é o cinema vivo e intemporal, conforme nos mostra o melhor filme jamais feito em homenagem ao próprio cinema, Cinema Paraíso, musicado também por Ennio Morricone. Viva o cinema! Viva a música!

procuro

Procuro.
Preciso de um instante mágico que me cale a dor de ser rascunho de mim mesmo.
Não me entendo! Só me vejo em leves traços e não consigo sair deles.
Quero ser obra acabada, colorida e não pesada, sentida.
Quero ser viagem terminada, tão longe me sinto nesta paragem.
Quero boleia porque perdi minha jangada. Não sei dela.
Os farrapos que me vestem assustam os passantes e nem os gatos vadios, meus amigos, me ajudam mais.
Estou dorido, cansado, mergulhado no meu desenho. Perdido...
Não sei que cor escolher, não sei que traço tomar.
Tenho de continuar.
Tenho de continuar...

repassando

Repassando as ideias com pente de barbeiro rasca, aqueles barbeiros com pomada no cabelo e que soltam milhões de perdigotos a tentar explicar-nos que o Pinto da Costa é o maior santo da terra a seguir à Mãe deles (não é por acaso que eu vou a uma barbeira que fica caladinha a massajar os meus lindos cachos) , informo-te, querido diário, sim, carago, tu agora és mais do que um diário, és o meu fiel amigo, o único confidente, o que está sempre presente e não resmunga, o que ouve e não diz uma palavra, o que me atura quando definho perdido em labirínticos esboços de mim mesmo...informava-te eu, querido diário, que esta coisa de ter feito anos em dia de carnaval, em terça-feira gorda, resultou em grave crise na zona florestal intestina e que me sinto assim terrivelmente constrangido e impedido de desenvolver o meu ritual dia a dia de anarquista burguês, de modos que agora ando a tomar chá com croissants que a fnac me vende perguntando-me sempre religiosamente se tenho cartão fnac. Uma per…

regressos II

Dia de Carnaval, dia de aniversário. Acordei tarde, quase em cima da hora de almoço. Não porque tivesse ido para a zona, ontem à noite, mas apenas porque me deixei dormir, sonhando com coisas terrenas e com o suicídio de Kurt Cobain. Tinha visto na rtp 2 um doc. sobre Bob kennedy, o irmão do amante de Marylin, um homem que podia ter feito história, e deixei-me adormecer a ver um outro doc., na mesma rtp 2, e sobre Clint Eastwood. Dormi regalado com acréscimos de poesia e romantismo no pensamento. Isto também porque a minha filha estava linda, de diaba vestida, e tinha ido para Ovar, dançar para a tenda, onde ficaria até ás nove horas de hoje.
Já hoje, e depois do banho, e do desprezo pela minha barba de três dias, atirei-me a uma feijoada com focinho de porco e orelheira, bebi um Alentejo tinto e tomei três cafés de enfiada. Amanhã é o início de quarenta dias de Quaresma, de jejuar, de combater o excesso de peso até à Páscoa do pão-de-ló e dos folares. Hoje é terça-feira gorda e ningué…

regressos

Vila Nova de Gaia. De regresso a casa, saúdo o frio que me brindou com uma leve dor de garganta. No Norte sofre-se muito da garganta, ou por que se fala de mais ou porque se sente o frio em demasia.
E entretanto amanha, dia 20, é Carnaval. E é o dia do meu aniversário (e de Kurt Cobain que foi mais inteligente do que eu suicidando-se desta merda toda).
O dia em que eu farei quarenta e um anos sem ter culpa alguma disso. E serei sempre inocente de fazer anos enqunto me sentir salvo pelos meus lindos cachos, pelo meu olhar de puto meigo e pelos os meus belos lábios que foram desenhados por um deus do Olimpo, disse-me uma vez certa pessoa. Fazer quarenta e um anos não pode ser o mesmo que andar para trás indo para a frente. Não senhor. Fazer quarenta e um anos pode e deve ser entendido como uma pequena etapa desta eterna juventude que me preenche.

desta lisboa que eu amo VI

O Benfica ganhou e o Sporting não. Tão bom!

desta lisboa que eu amo V («Nobody is illegal»)

Imagem
Lisboa, fim-de-semana. Nesta Lisboa que eu amo há muito por onde escolher quando é sexta-feira à noite. Janta-se descontraído, conversa-se, cai-se no cinema ou no teatro, ou ouve-se música num bar qualquer. Eu escolhi ouvir jazz e fui à procura do Hot Club. E foi boa a minha malha, dado que ainda fui a tempo de assistir a um magnífico concerto dos belgas "Jef Neve Trio". Música colorida com acalmia, ambiente sublime, intimista. Um achado ao alcance de poucos, palavra de honra.
Depois de uma tarde desastrosa, com chuva e frio, uma sexta-feia condenada ao fracasso, afinal salva por um triz. Melhor dizendo, salva por um trio.

desta lisboa que eu amo IV

Nesta Lisboa que eu amo há o Benfica, o glorioso, e às vezes ganha para aumentar as vendas do “Compensan”. E há os tipos da Emel, essa associação diligente, dona de toda a Lisboa dos estacionamentos. Mas um tipo como eu, vendedor, sabe como faze-las, e em estando alojado num hotel sem parque, condenado pois ao jugo poderoso do “amarelinho”, tratou logo de fazer um “aproach”, um quebra-gelo fatal para o fiscal.
- Qual é o seu carro? O “MB”? Olhe, ponha só uma moedinha para eu não ter problemas que eu faço sempre esta zona.
Obrigado “amarelinho”. Trata-me bem do carro

desta lisboa que eu amo III

Ontem fui jantar à Cervejaria Trindade, no Bairro Alto. Soube-me bem rever os quatro elementos e as quatro estações que decoram aquela nave, magníficos azulejos que permanecem ali, indiferentes a quem entra e sai, sumptuosos. Pena é ficarem também indiferentes relativamente à qualidade do serviço e da comida. À entrada, fui confrontado com um simpático painel que me pedia, em linguagem cuidada, para aguardar que alguém me indicasse mesa. A sala estava semi-vazia porque já era tarde e os empregados vagueavam indiferentes a quem aguardava ser acolhido. Para quem não sabe, eu fui gerente de uma Pizza Hut em 1990 e, nessa altura essa cadeia de restaurantes foi pioneira nesse conceito de acolhimento e garanto-vos que na minha sala nenhum cliente ficava à espera do acolhimento mais de um minuto. Mesmo quando não havia mesa, havia sempre um empregado destacado para fazer o acolhimento, ou então o gerente encarregava-se de o fazer. Pelos vistos o painel de acolhimento da Cervejaria Trindade e…

valentim saudade, valentim aos molhos

do tal valentine, dizem que é amor a rodos e paixões assolapadas, flores vermelhas e algum sexo embrulhado, com aspecto de presente de namorados. mas também é isto. Muito mais.

desta lisboa que eu amo II

Tenho de ir ao B'leza, ali para os lados de Alcântara. Eu, que sou um mão-fria de discoteca, sempre de copo na mão, não sei dançar nem gosto muito de dançar, hei-de ir ao B'leza, ali para os lados de Alcântara. Disseram-me que era uma discoteca de Kizomba, a dança mágica. Do povo, dos pretos lindos e deuses. Corteses, simpáticos, dos bairros, das magias sensuais, dos suores vibrantes. E que não engatam. Não pedem o telefone às meninas brancas que os olham com deleite. Pedem-lhes para dançar apenas, e dançam-nas num profundo êxtase, como se a música e o movimento fossem uma imensa África prenhe de amor à música e à dança, gazelas correndo em rituais de harmonia e força, leões e tigres de garras afiadas que acariciam, que mimam, que tocam sem ferir. Disseram-me, eu não vi. Mas hei-de ver.

desta Lisboa que eu amo I

É tarde e eu não quero dormir. A carga horária destes dias de exposição e a deslocalização interna alteram-me os "dormires", para não falar do raio da prisão de ventre que é uma coisa terrível, e que "se me dá" sempre que me afasto de Gaia por mais de três dias. É bom que se fale destas coisas, dum tipo andar três dias preso dos intestinos. Por causa da lua, ou da mudança de hábitos, nem sei. O que sei é que sempre que chego a casa, a primeirinha coisa que faço é "apenas e tão só" (adoro esta expressão!) por-me de olho na sanita e restabelecer a minha condição normal de cagão, alibeirando-me, enfim.
De maneiras que estava eu dizendo, ando sem sono e não me dá para ver televisão nem me apetece ler nada, nem um título de jornal (neste caso devido ao meu angustiante benfiquismo) e pronto, dá-me para isto, ler os dois blogs do costume (agora são três) e atirar-me a escrever qualquer coisa, quando muito com a serventia de um dia destes eu desfazer-me em sor…

desta lisboa que eu amo (- I)

A Nauticampo está a correr-me bem. Duas vendas, ao fim do segundo dia de "feira", ainda que esganadas. Os queridos visitantes estão cada vez mais sedentos de informação e, por outro lado, renitentes na decisão. Mas um vendedor que é vendedor, não um desses conas que no final do curso encontrou nas vendas a sua tábua de salvação à custa de 500 euros de fixo mais um telemóvel fatela e uma permanente justificação para o merecimento de tais regalias, que eu bem lhes digo para irem trabalhar nas obras ou numa fábrica de cablagens qualquer, dessas que se deslocalizam, como as putas à beira da estrada mais ou menos movimentada...ah, mas dizia eu, que ainda me perco (perco-me sempre, cum carago), um vendedor que é vendedor tem de puxar para o fecho, tem de criar no cliente a perfeita convicção de que é agora ou nunca. E a puta da venda sai, ai se não sai. Esmagada, esmifrada, calcada e prensada... mas venda, gloriosa venda de sabores a caju com cerveja gelada.


E depois, os jantares…

desta lisboa

Lisboa. Enamorei-me por um casaco de couro à venda na Fil a um preço filho da mãe mas, ironias, muito convidativo. Um casaco de couro que não é mais do que um "disfarça misérias", um anti-pneu, alto relevo em conforto e apresentação. O estuporado do casaco de pele de cabra está um primor. Um corte que me atira a barriguinha quarentona para uns bons dez anos mais novo. O preço, esse, pôs-me dez anos mais velho. Da idade do meu estafado casaco de couro castanho e de pele de cabra, com bolso na lapela e com aqueles inúteis apliques na cintura, uns pendentes de merda, autênticos "bilhete de identidade" e "numero de contribuinte" da minha miserável condição de teso e cota.
Queria tanto comprar um casaco de couro novo, elegante, muito minimalista e arrebatador...

arrivals

Cheguei a Lisboa, à cidade. Chove alguma coisa, o que eu detesto em Lisboa, mesmo quando sei que vou passar a maior parte do meu tempo encarcerado na Fil. Mas Lisboa encanta-me sempre, sobretudo fora de horas.

das crias

Ontem encontrei uma antiga namorada e em conversa de circunstância perguntei-lhe se tinha filhos. "Gatos, tenho gatos", respondeu ela.

eu vou eu vou!

Imagem
Sábado, domingo ou segunda-feira. Num destes dias eu vou ao Coliseu de Lisboa.

eterno feminino

Imagem
"Todas elas me adoram, velha história, exceptuando as mulheres infelizes, as "emancipadas", a quem falta o estofo para crianças. Felizmente, nao tenho vontade para ser rasgado em vários pedaços: a mulher perfeita dilacera quando ama" Nietzsche in O Erro da Humanidade

tubarão ou esquilo?

O Paulo Querido tem ideias. É um jornalista de ponta, especializado nas novas tecnologias da informação e tem ideias. já tinha criado o Weblog.pt, um projecto ambicioso de alojamento de blogs portugueses e que entretanto faliu, está à deriva, levando muitos e bons bloggers a uma espécie de orfandade temporária. Agora surge com outro projecto, segundo o Público (edição impressa). Um novo projecto que visa imprimir um cunho ainda mais corporativista aos blogs.
Um blog pode ser o que eu quiser e bla bla bla...Um blog tem potencial, é bom, é independente e é grátis. Mas passa a ser utopia a partir do momento em que se tenta arregimentar este estado de pureza que é o estado actual dos blogs, salvo um ou outro caso, transformando-os numa máquina organizada de fazer dinheiro. Uma corporação.Não quero ser severo para com os autores de tal ideia, mas assumo desde já que continuo independente, que me assumo cada vez mais como um cidadão-jornalista que participa, que procura encontrar respostas …

Hoje tive um sonho

Tu olhaste-me a sorrir e disseste:
- Aperta-me num abraço e deixa-te estar quieto.

elucubrações de um miúdo de 40 anos com dores de garganta, num domingo à tarde sem sol

Acordei tarde porque me deitei tarde. Preparei uns bifes manhosos, daqueles que cozem na própria água quando pretendemos apenas que grelhem, e servi-os com uma travessa de batatas fritas, daquelas ultracongeladas. Tudo muito rápido. De café só restava uma colher de sopa, de modo que fiz uma água de café que me soube muito bem, embora não me tivesse retirado deste estado mole com que vos escrevo.
Já deu para notar que ainda nem tirei o pijama, não tomei banho, nem fiz a barba, nem essas coisas todas que aos domingos nunca têm hora certa. Mas vou fazer. E vou sair para ler jornais e tomar café expresso e ainda vou fazer umas compras no Lidl.

Entretanto, hei-de ganhar coragem para ver um filme. E não estou certo de que vá ver o “diz que é uma espécie de magazine” que esse programa lembra-me o Nuno Gomes, o tal que diz que é uma espécie de Goleador…Entretanto, já percebi que aqueles rapazes do Gato Fedorento fazem quase sempre uma coisa interessante durante aquele programa, e normalmente e…

das respostas

Imagem
“Teoria Astral”, de Joaquim A R Barreira, prefácio de Maria da Conceição Camps, apresentado hoje na Fnac de V N Gaia.
A Cabala, o Tarot, arquétipos, símbolos, imaginário colectivo. O bem e o mal. Respostas que se procuram…

Papiro Editora

do referendo, e sobre os debates...(a propósito!)

“O médico vê o homem em toda a sua fraqueza; o jurista o vê em toda a sua maldade; o teólogo, em toda a sua imbecilidade.” Schopenhauer

I fall in love too easily II

Fevereiro é o meu mês. O mês dos gatos.

...Vou continuar a sorrir para o mundo, com todas as minhas limitações, mas cheio de ingénuas esperanças e convencido de que o mundo é bom e a vida é bela.

E continuo proclamando-me inocente de todas as desilusões que me causei e sinto-me com coragem para me perdoar todas as traições que me fiz...