Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2003

DIA ULTIMO

Acordar tarde, ensonado, e zarpar para o trabalho. Momento repetido e gasto por de entre o desmoronar próprio de um ano de crise. Mas isso não importa nada, de todo. Neste dia ultimo afogarei todas as mágoas e frustrações e retomarei a aurora de um novo ano, convencido ainda que é mais belo o nascer do dia.

BOAVISTÃO

Daqui a poucas horas estarei no Estádio do Bessa a assistir à inauguração oficial do novo estádio do Boavista Futebol Clube. Estou em crer que será uma festa bonita feita por um clube da cidade do Porto e que, por ser pequeno, mostra que é diferente. E a diferença está na forma conciliadora e respeitadora de todo o universo desportivo do Grande Porto. È que este clube de bairro não se esqueceu de convidar todas as agremiações desportivas da metrópole em que está inserido. Para além dos grandes nomes do desporto e dos clubes de Portugal, este Boavista não se esqueceu dos grupos desportivos mais humildes, como é o caso do Centro Cultural e Desportivo Arca de Noé com sede em Canidelo, Vila Nova de Gaia que para o evento foi convidado e muito se orgulha em estar presente nesta data festiva. Um bem-haja pois ao Boavista que até em casos de aparente megalomania soube ser BOAVISTÃO.

Benfica

O Benfica está a ganhar. Ou muito me engano ou esta sequência de vitórias está directamente ligada com a data em que os meus amigos optimistas sobre o Benfica deixaram de dissertar sobre a Águia Altaneira.

Ressentimento (parte ll)

Francisco José Viegas enviou-me um e-mail por via do comentário que eu aqui fiz sobre o seu "Ressentimento". Obviamente, não vou expressar aqui o teor do dito e-mail, que aliás agradeci. A saber que o prestigiado autor, escritor e apresentador perdeu algum tempo com o meu comentário, fica aqui este texto que encontrei na web cujo tema é, obviamente, o Ressentimento.

Luis Fernando Veríssimo

... em 3 versões, escreveu para elas:

Para as que deram!!!

Ainda bem que eu dei
Sem fazer tipo, sem fazer jogo
Assim é muito mais gostoso
Tava tudo mesmo pegando fogo
Dei querendo dar
Dei sem enganar
Dei sem me preocupar
Se amanhã você vai ligar
Pode sumir, pode espalhar, pode desaparecer
Foi mesmo uma delícia dar pra você
Se quiser de novo, fica a vontade
Não tenho medo de saudade
Dei na maior fé, na paz
Foi SIM, e não TALVEZ
E se você ainda quiser mais
Pega a senha, entra na fila e espera sua vez
Ainda bem que eu dei
Tudo lindo, tudo zen
Só uma perguntinha:
Foi bom pra você também?


Para as que não deram!!

Ainda bem que eu não dei
Ainda bem que não rolou
Ainda não foi dessa vez
Que teu jogo funcionou
Imagina se ontem eu tivesse dado
Acreditado no seu tipo de apaixonado
E hoje você mal falou comigo
Mandou um oi meio de amigo
Como se nada tivesse rolado
Imagina se eu tivesse liberado...
Não adiantou seu jeito meloso
Implorando prá eu ir te ver
Teatro …

Pinheirinho, Pinheirinho

Tempo de Natal. O "dido" enfeitou-se, como pôde, sem gastos e sem engenheiros recrutados numa Randstad qualquer. O "dido" volta um dia destes. Bom Natal.

Ressentimento

O Viegas anda preocupado com a forma como, alegadamente, se debate na blogosfera. Está com ganas de moderar, de propor um tom, apressando-se a negar tais intentos. Ele que explique bem o significado de “uma espécie de norma bem-educada de dizer as coisas”. Ele que tratou o professor Carlos Queirós por Professor Pardal está, pois, habilitado a debater o dito “ressentimento”. A menos que ele também persista em considerar como debate apenas as trocas de galhardetes entre colegas de profissão ( jornalistas, maioritariamente), numa perspectiva de “blog-circuito-fechado-só-para-quem-tem-estatuto”. Ele sabe que a blogosfera é uma composição de manifestações várias e que muitos dos que por aqui andam apenas buscam um encosto de alma, um texto, um livro a ler e estão-se marimbando para as diatribes dos jornalistas, a armarem em políticos e dos políticos a armarem em jornalistas. Cada vez me cansa mais ler as crónicas das crónicas, as trocas de hilariantes salgadinhos jornalísticos. Cada vez m…

Yesterday morning

Este texto publicado no blog IranianGirl apresenta-nos, de uma forma simples, uma pincelada, uma sensação, num dia normal, lá no oriente onde as pessoas vestem diferente, rezam diferente, vivem diferente. Mas este texto mostra como tudo pode ser normal e menos diferente. A anormalidade existe pela simples novidade da neve nesta altura, a cair naquela cidade distante. A normalidade é que a neve pode ser um acontecimento belo e marcante desde que haja gente que o possa viver e partilhar em paz, sem diferenças, sem sofismos. Apenas a neve a cair e alguém contemplando, a partir daquela janela preferida.

Sem titulo

O sol voltou à minha cidade

O sol vai ficar por mais uns dias

O sol é o amigo que faltava.

O sol compreende-me

O sol vai embora um dia destes.

O sol

PERCURSOS

Neste mar de feriados onde se gasta o tempo a fingir que temos dinheiro e que vamos abraçar mais um Natal suculento, uma coisa ficou para a história: ontem, no canal 1 e em pleno telejornal, alguém entrevistou alguém, num desses centros comerciais de Lisboa – como é boa Lisboa em tempo de centros comerciais – e esse entrevistado, uma mulher bem vestida acompanhada por uma linda menina, conseguiu, num ápice, atingir o meu ponto “éfe”. Que não, que não sentia a crise “nem sequer há crise, essa coisa é apenas psicológica” e que até vai comprar mais prendas do que tem sido habitual em anos anteriores. De maneiras que fiquei assim para o optimista, até ao segundo imediato, onde surgiram outros “vox populis”, a fazerem-me despertar penosamente daquele êxtase momentâneo. E o feriado passou e cá estamos de volta à realidade, de novo à espera dum outro Natal.

Estrada perdida

É o filme escolhido para um serão no Café Perestroika em Perosinho. Um copo, outro ainda, e um excelente exercicio proposto por David Lynch. Alguém aqui desafia-me para mais um long drink. Qualquer coisa serve, porque aqui no hay banda. O silencio ficou lá fora, a guardar o frio. Aqui, no Perestroika, é tempo de deixar passar o tempo e beber.…

moblog

Tarde cinzenta, alguma chuva. O transito infernal nesta urbe, nesta cidade do Porto onde o Douro traz prata para o mar. Parado na 109, pego o telemovel e sigo directo para o Silencio, onde encontro mais um texto, mais um sabor. Encosto o carro e escrevo, publico. Sem pc, sem monitor. Graças a Deus é sexta feira e eu aqui a blogar, algures, bem perto do mar salgado e a ouvir o Overnite Sensation ( kiss my aura...Dora...MMM) de Zappa.

elogio

Aquela mulher, defronte a um espelho, em casa "estou tão velha e acabada, sinto-me feia e preciso de um elogio". O marido, fitando-a, "estás com uma excelente visão querida".

pensamento à solta

Na Blogosfera, pisando este espaço de aprendizagem, e recauchutagem da mente, apalpo sítios onde me deixo ficar encostado como se estivesse numa varanda, virada para uma horta, cheia de coisas boas. Apetece comer letra a letra e, por vezes, guarda-las muito bem fechadas num cofre meio a sério meio a brincar. No entretanto, (como escrevia Júlio Dinis que não é nenhum desses artistas da escrita de quem tanto se fala hoje - mas foi um artista da escrita, todavia); no entretanto, dizia eu, tenho encontrado um certo travo a vaidade, por de entre certos sítios onde encosto a minha, por assim dizer, bicicleta. Encontro esse sabor, ora amargo ora adocicado, à medida do freguês, à medida da sua capacidade em demonstrar que tem um blog às direitas ou de grande carga intelectual ou até de grande simbolismo literário. E essa vaidade cria um efeito de colégio e “cloniza-se “, reproduz-se de tal ordem que muitas das vezes, nem sabemos bem onde estamos e como fomos ali parar.

Depois tem sempre, ness…
Adivinha

Sabem qual é o maior ginásio do mundo??

É o Alvalade XXI.
Tem um banho turco com capacidade para 45 mil pessoas...

Dor. Foi este tema o principio de uma boa conversa nesta tarde fria. E apetece partilhar um poema do Mário, "Ultimo Soneto", porque apetece e nada mais.

"Que rosas fugitivas foste ali:
Requeriam-te os tapetes – e vieste...
– Se me dói hoje o bem que me fizeste,
É justo, porque muito te devi.

Em que seda de afagos me envolvi
Quando entraste, nas tardes que apareceste –
Como fui de percal quando me deste
Tua boca a beijar, que remordi...

Pensei que fosse o meu o teu cansaço –
Que seria entre nós um longo abraço
O tédio que, tão esbelta, te curvava...

E fugiste... Que importa ? Se deixaste
A lembrança violeta que animaste
Onde a minha saudade a Cor se trava?... "
Novos Estádios. Para quem anda por aí, aos quatro ventos, a esgrimir a beleza do novo estádio do seu clube e mesmo para aqueles que acham uma obra de arte os nossos novos estádios de futebol, vejam as propostas para o Estádio Olimpico de Pequim que irá receber os Jogos em 2008.

Os nossos já parecem ter mais de 20 anos!

Monólogo

Um homem olha para o seu penis e comenta:
- Nascemos juntos, crescemos juntos,

brincamos juntos, casamos juntos...
Por que razão queres morrer primeiro que eu?








The Ocean Doesn't Want Me


The ocean doesn't want me today
But I'll be back tomorrow to play
And the strangles will take me
Down deep in their brine
The mischievous braingels
Down into the endless blue wine
I'll open my head and let out
All of my time.
I'd love to go drowning
And to stay and to stay
But the ocean doesn't want me today
I'll go in up to here
It can't possibly hurt
All they will find is my beer
And my shirt
A rip tide is raging
And the life guard is away
But the ocean doesn't want me today
The ocean doesn't want me today.

(Tom Waits)

UMA IDEIA. Pelo que leio nos jornais, este ano haverá cadeirinhas vazias ao lado daqueles cavalheiros que fazem de Pai Natal, nas ruas e nos centros comerciais de Mogiel — uma cidadezinha sensata da Nova Zelândia —, para que as crianças não se sentem nos joelhos do velhinho. Comentando este post do FJV, devo dizer que não concordo nada com estas atitudes altamente mesquinhas e parolas das autoridades políticas, estejam elas em Portugal ou numa Patagónia qualquer. O Pai Natal não deve dar colo às criancinhas? Qual é o mal? Bem sei que o FJV ironiza ao dizer "eu sempre desconfiei dele", mas na verdade eu nem sequer consigo achar piada àquilo. Sendo eu pai e tendo eu dado muito e bom colo aos meus filhos, espero um dia poder ter netos, muitos, a quem possa, um dia também, dar muito desse colinho. Espero, e anseio, não vir a assistir por cá a qualquer tipo de imitação pacóvia destas iniciativas dos antípodas (eu diria: sabe-se que a Nova Zelândia fica no outro lado do mundo mas…
Weekend Ending. Em aqui chegado, a esta tarde meia ensolarada, adivinho nada para escrever ou simplesmente calcar (sim, calca-se muito). Por isso escrevo sobre este longo e terno fim de semana onde a luz do cinema se confunde com uma boa bebida, serpenteada em fumo e aromas. Descobri Uma Louise surpreendente e refrescante. De maneiras que nem me apeteceu passar pelos textos dos "Homens Bons" da blogosfera...nem me apeteceu.