domingo, 31 de julho de 2016

Vou agora, se me permitem, discorrer sobre um assunto que já me esta a meter nojo: a mania que os meus conterrâneos têm de andar numa de “ai vêm aí os emigrantes, que horror!” ou “credo, é só “avecs” por todo o lado, não os suporto!”
Os emigrantes, meus amigos, bem os emigrantes, para começar, deviam ter uma estátua em cada aldeia portuguesa. Durante este mês de Agosto não há feirante ou lojista que não esteja grato aos “avecs”. Porque eles, os “emigras”, eles compram tudo, eles enchem os restaurantes, eles ocupam as lojas que não vendem quase nada durante o ano e limpam-lhes o stock, as coisas que nós desdenhamos mas eles adoram. Eles mandam construir casas, grandes casas, enquanto nós, coitados, somos enfiados em apartamentos exíguos, eles até piscinas fazem, grandes garagens, três carros - e pagam a tempo e horas!- e isso é o quê? É economia a andar cá em Portugal graças ao dinheiro deles. E já nem falo das remessas que eles andam a mandar para cá há cinquenta anos. Por isso, meus amigos, respeito, muito respeito pelos emigrantes. Sorriam para eles, agradeçam eles virem cá porque muitos deles são já da terceira geração e quase nem sabem falar a nossa língua. Mas adoram Portugal.
Ainda recentemente isso ficou provado. Sim, porque um filho de emigrante português, nascido e criado em França, a trabalhar em França, a falar francês seria muito natural que jurasse amor ao SEU país, a França. Mas não, o raio dos moços adoram Portugal, amam Portugal e apostaram e apoiaram a “Seleçom” como só eles sabem fazer. Tiveram de levar com o mau perder dos franceses e aguentaram, não renunciaram à pátria amada, porque essa é só uma. E agora, chegam a Portugal, à grande e amada pátria e levam com a cara de nojo dos seus compatriotas, a raiva latente nas redes sociais, o ciúme, o preconceito. Se fosse possível eu queimava todas as “memes” que me aparecem a desdenhar os nossos compatriotas emigrantes por esse mundo fora e que fazem o favor de nos vir visitar. E entristece-me muito, aliás, ver muito boa gente que se arma a defender tudo o que é minoria e bla bla bla e depois vem para as redes sociais armar em “português de primeira estorvado pelos emigrantes” coitados, como se isto, esta parvónia fosse um direito só deles.
Por isso respeito, caro amigo, muito respeito pelos emigrantes. Obrigado.

sábado, 30 de julho de 2016

"Shall I compare thee to a summer's day? 
Thou art more lovely and more temperate" 
#Shakespeare

quinta-feira, 28 de julho de 2016

No verão um poema:
"Cicale, sorelle, nel sole con voi mi nascondo nel folto dei pioppi e aspetto le stelle."
Salvatore Quasimodo 

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Parabéns a estes putos que foram a França fazer história contra o cepticismo de quase todos nós. Hoje, é tempo de celebrar este momento excepcional da portugalidade, da diáspora. E obrigado a estes miúdos por colocarem a imagem de Eusébio junto da Taça. Eusébio merece. Não por ter sido o melhor mas sim por ter sido um exemplo do talento e do querer, sentimentos aliados ao sofrimento do "sentir Portugal". Eusébio sentia Portugal como poucos, embora não tivesse nascido na península. Como sente Pepe, que nasceu em terras de Vera Cruz, como sentem os filhos de África desta nova geração, os filhos dos ciganos, os filhos dos insulares, os filhos dos emigrantes. Todos eles somos nós e Eusébio é todos eles. Obrigado, miúdos
Web Analytics