Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2008

dia último

dia último, ano de merda. de quase nada, de muito pouco. ano cheio de inglórias conjunturas. de sonhos parados, de mínguo cinema, de nenhum teatro e poucos concertos. ano passado a pão e água, de uma espécie de farinha-de-pau com meia dúzia de grãos de arroz. de massas, muitas e variadas massas, com natas, atum, cogumelos. nada de lagostas e muito pouco leitão da bairrada.
ano a fingir que nos aguentamos, sôfregos e a engordar de velhos. ano adiado. muito quieto e quase morto.
por vezes sorriu-se, ousou-se, quase sempre se desistiu. ano cheio de contas, de cartas cobrança. e os filhos crescidos, precisados de roupas, propinas, passes rodoviários, dinheiro para a noite académica. e o dentista, meu deus.
e os sacrifícios, as manhas, o controle absurdo dos desdinheiros. uma luta. um ano de merda.

bom ano

"Em ano bom o grão é feno, e em ano mau a palha é grão."

do povo

do Equador, uma brisa

A qualidade musical de Rodrigo Leão.

vícios da quadra

Desembrulhar mon chéris e "txupar-lhes" o licor...

do Equador, um Marco...

Da série "Equador", cujo livro não li, gostei muito do Marco Horácio. Palpita-me que este rapaz consiga fidelizar-me a uma produção da TVI cheia de espaços mortos, recortes de imagens tipo anos 30 (aquela cena na varanda no Hotel da Ericeira meteu dó) e figurantes em desfile quase fúnebre (não acredito que a espécie humana se movimentasse tão lenta e pausadamente no início do Séc. XX).
Marco Horácio, qual rouxinol em aviário estafado, salvou este primeiro capítulo. Surgiu fresco, talentoso e cheio daquele ar saudável que raramente se vislumbra nos actores portugueses.