irritações

Venho aqui a correr para assentar uma espécie de irritação que me consome um bocadinho. Uma irritação que é quase um preconceito meu, ou quase um assomo de arrogância da minha parte, temo eu. Só admissível nos meus pensamentos auto-recriminatórios porque eu posso me dizer que, afinal de contas, eu percorri. Posso afirmar a mim mesmo que passei horas e horas numa biblioteca, que fui ao teatro, fui ao cinema, à ópera e comprei discos e livros e ouvi muita rádio que falava comigo e me trazia saberes que se me enraizavam e me moldaram os critérios. E que ainda hoje procuro fazer disso tudo.
E, justamente, o que me traz aqui neste momento não sou eu mas sim a tal irritação que eu ando a sentir faz algum tempo. Conhecem Pelléas et Mellissante? L' heure espagnol? Ah, eu conheço, sabiam? Ouvi e gostei muito, conheço as histórias e sei quem foram os autores e descobri nelas outra forma de entender o início do Sec. XX. Sei o que é porque cultivei essas coisas. Conhecem o noc noc noc on the heaven's door? Conhecem, claro que conhecem. Eu também conheço porque ouvi um disco de Bob Dylan há mais de 30 anos. Ouvi um disco, notem bem. Conhecem Joe Zawinul? E Brubeck, Conhecem? Pois, eu sei que podem pesquisar no google, eu sei. E ficam a saber, não é? E depois vão às Redes Sociais, não é? E postam vídeos e links de Debussy e Ravel, Drama Lírico e Comédia, não é? E Jazz, muito e bom Jazz. E debatem seriamente sobre esses e tantos outros temas. Por outro lado, deixe-me perguntar-vos se têm discos de jazz em casa. Se conseguem assistir a um concerto de música clássica (os divertimezzos não contam). Pois... E lêem romances para além dos downbrowns e margaridasrebelopintos? E Teatro? Ah, o LaFeria (do mal o menos. enfim - eu sei que está na moda).
E então o que é que me irrita tanto? Não consigo explicar doutro modo, peço desculpa. O que me irrita é pensar que anda muita gente a abarrotar de cultura ejaculada da Internet, fora da realidade vivida, da experiência, do contacto, do sal e da pimenta que só existe entre as folhas de um livro, do chilrear da natureza que só acontece numa sala com música, do pulsar do mundo como só se sente numa viagem, dentro de um museu, numa sala de teatro. Por isso irrito-me com, vamos lá ver se consigo ser educado, irrito-me com esse sub-produto de intelectuais fecundados no google, que têm tudo à mão e, assim, de tudo sabem, de tudo falam quais especialistas doutorados. É difícil lidar com essa gente, sabem?
 E às vezes, confesso, até apetece manda-los à merda, mas é claro que se o fizéssemos acabariamos por perder toda a imensa razão que temos.


Comentários

Mensagens populares deste blogue