No novo túnel de St. Ovídio já estão afixadas as placas azuis indicadoras dos principais destinos como Porto, Lisboa e, obviamente, "Carvalhos".  Por outro lado, quem passa os Carvalhos em direcção à ponte do Freixo, ha-de reparar numa placa indicando que "Pedroso" fica bem no interior do Concelho, em direcçao a Sandim e Olival. É justo.


É justo, sim senhor. Principalmente porque tenho memória e lembro-me bem da sanha persecutória que o ainda Presidente da Junta de Freguesia de Pedroso encetou contra a Vila dos Carvalhos. Uma gesta motivada por ambições pessoais, castradas no complexo de inferioridade de um ex-pintor da construção civil chegado à ribalta do poder minúsculo de um simples presidente de junta, ainda para mais levado ao colo desse animal político que comanda o Concelho de Gaia até à data em que terá, por via de lei, de zarpar para outra Câmara Municipal. Uma gesta que ganhou adeptos, norteada por vontades parolas em minimizar a importância geo-social da Vila dos Carvalhos, que aqui neste meu sítio já enumerei, e chegando ao cúmulo de querer banir a palavra Carvalhos das placas indicadoras de direcções a tomar para quem venha do sul ou do norte e cruze as terras do concelho sul de Gaia. Por isso é justo que "Carvalhos" continue a figurar onde sempre figurou e é irónico que a única placa de relevo com a palavra "Pedroso" mostre verdadeiramente aquilo que Pedroso não é, nunca foi nem jamais será: locar de importância geográfica relevante.

 Ainda há dias, estava eu em Chaves com um cliente local e perguntei-lhe se conhecia Carvalhos. Obviamente que sim!, respondia-me ele quase ofendido. E Pedroso? e Sermonde? e Grijó? Que não. Sabia lá o que isso era. Carvalhos sim, claro. Toda a gente sabe onde fica Carvalhos. E para quase toda a gente, depois de Espinho e antes de Gaia só existe um sítio conhecido.

 Carvalhos é um sítio onde se vive bem e onde se podia viver melhor, fosse esta localidade dotada de autonomia autárquica. Resistiu ao Tavares, embora tenha perdido a Repartição de Finanças que servia todas as localidades a sul do Concelho e mais algumas do Concelho vizinho. Ainda assim, não perdeu a sua identidade, num período mau para a sua determinação local, ainda para mais numa época em que urge reduzir autarquias por via da crise financeira. Espero sinceramente que os próximos autarcas eleitos tenham aprendido a lição e não se deixem levar por complexos de inferioridade e saibam, isso sim, reconhecer e dar a justa importância dos Carvalhos enquanto pólo de modernização, progresso e qualidade de vida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue