A revista Time, o maior baluarte propagandistico do império capitalista, da mentira e da desinformação, pretendeu brincar com o fogo, no jogo cada vez mais perfeito da clausura planetária face ao jugo capitalista e escolheu para figura deste desgraçado ano de 2011 o "manifestante". Os que se manifestam, se indignam e se entretêm a ocupar espaços públicos de relevância um pouco por todo o mundo capitalista foram, pois, homenageados pelos mensageiros do cancro financeiro, da mordaça económica e social que nos persegue e perseguirá ao longo deste terceiro milénio.

A revista Time devia, sim, prestar homenagem a essa falange imensa de formiguinhas obreiras da sua mais do que perfeita obra de exploração: os caridosos, os que ajudam, os que se organizam em grupos, civis ou religiosos, para dar de comer a quem tem fome. Esses sim, deviam ser figura do ano. Porque essas criaturas caridosas fazem parte deste processo cancerígeno que se chama Capitalismo. Recolhem alimentos, criam cantinas, rouparias e centros de recolha do cada vez maior número de vítimas deste sistema inglório, e que serve apenas os mesmos, sendo que sempre que surge mais um milionário têm de se construir mais de dez grupos de apoio aos desfavorecidos entretanto emergidos. E por estas alturas natalícias, chega a ser ternurento ver tantas reportagens de ceias de natal, entregas de cabazes e de roupinhas, algumas vezes com direito a concerto de variedades e tudo. Chega a ser comovente ouvir idosos que não fizeram mais nada na vida do que andar a sustentar a máquina capitalista, para agora, no final das suas vidas, aparecerem na televisão com um saco de comida na mão, caridosamente entregue por uma dessas organizações de caridade.

O mundo capitalista goza de perfeita saúde porque tem ao seu serviço um grande exercito de coveiros de cadáveres vivos, os esfomeados, os sem abrigo, os cada vez em maior número desgraçados que não podem ser abatidos ou despejados uma Etar qualquer como qualquer outro desperdício que se deita fora. O mundo capitalista vai comer bem neste natal, vestir bem e até vai contribuir com fundos e outros restos dispensáveis para que se diga que há humanidade nesta sociedade tão reles.

E se um dia os homens e mulheres que sofrem se lembrarem de recusar a sacra esmola e passarem a exigir que lhes paguem o que lhes é devido, aí sim, a revista Time talvez venha a homenagear os pelotões de fuzilamento, os grupos de aniquilação que a máquina capitalista se encarregará de criar, a par com a propaganda, para que se faça o que é preciso fazer para que tudo continue na mesma.

Comentários

Mensagens populares deste blogue