O senhor vá caminhando e quando passar aquela igreja vira na primeira à esquerda e ande mais uns cem metros que aparece logo  uma loja. A esta hora pode ser que ainda esteja aberta.

E lá fui eu andando, até que passei pela igreja e a rua estreita lá estava, quietinha, à minha espera. Caminhei mais uns cem metros e, por fim, avistei o senhor Veiga, que se aprestava a sair da loja, segurando na mão um jarro transparente cheio de vinho branco a embaciar o vidro. Vai fechar? Não, faça o favor de entrar. Pedi que me aviasse uma garrafa de água e uma coca-cola para me abastecer do açúcar que a Labruja me ia exigir. O senhor Veiga, depois de me dar o troco, percebeu o ar de espanto que ainda sobrava na minha cara. Sabe, tenho um compromisso com uma senhora de noventa anos que vive sozinha em casa. Todos os dias por esta hora levo-lhe um jarro de vinho e fico lá um bocadito a conversar com ela e a comer qualquer coisa.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Llorando