devoluções

Hoje devolvo-me a todas as coisas, deixando-me espalhar pelos materiais como se o meu corpo fosse um estado chumbo derretido. Muito quente, muito fluida, a minha matéria está em estado de devolução às coisas, às formas e aos sentidos. E assim fico com outras formas, mais arredondadas e sem ângulos e arestas vivas. As minhas arestas vivas sangram de um tal desejo de arranhar, de tocar e fazer mexer, e em se devolvendo a outras formas, de arco-íris e flores exóticas, do Índico talvez, de outros mares imensos ou de outras luas argênteas, devolve-se também ao sonho jamais em mim envelhecido.

Comentários

Anónimo disse…
Aorei o seu blog! Parabéns encantada!

Bj´x

Paris
http://jesenssonmanque.blogspot.com

Mensagens populares deste blogue