coisas de nada

risível
adjectivo 2 géneros
1. que desperta o riso;
2. ridículo; irrisório; digno de escárnio;
(Do lat. risibìle-, «id.»)
fonte: infopédia

Um tipo como eu, vendedor antes e depois de todas as coisas, tem sempre histórias engraçadas para contar. E hoje aconteceu-me uma cena gira, embora nada transcendente, haveis de ver, de modos que a vou partilhar com os meus estimados leitores para que saibam que nem tudo são maus ossos do ofício.
Ora aconteceu então que eu tinha uma reunião marcada para hoje de manha cedo, nove, nove e um quarto, porque a agenda estava forte. E como entretanto me espalhei em copos na santa véspera, deitando-me tarde, muito tarde, não esqueci, contudo, de programar o despertador do meu telemóvel para as oito e trinta da manhã, sabendo eu que daria perfeitamente para tomar um duche regenerador e tomar um café antes de fazer os cinco minutos de carro que me levariam ao escritório. E assim foi. Pouco passava das nove e quinze e já eu me encontrava no “meeting point”, e enquanto fumava o segundo cigarro do dia resolvi telefonar ao meu cliente num gesto de marcado profissionalismo que é uma coisa adorável nestas primeiras reuniões de negócios. Ora, o meu cliente atende a chamada com ar de alívio e desata a proclamar senhores Altinos por todo o lado com voz de enternecida satisfação. Espantado, perguntei-lhe o que se passava. Disse-me então que tinha tido um problema na véspera e não ia poder estar presente na reunião. E mais me informou que me telefonou por volta das oito horas para que eu não viesse a correr esperando com isso obter a minha penhorada atenção e tolerância. E naquela catadupa exclamativa foi-me informando que ficou muito assustado porque eu atendi a chamada de pronto, às oito horas da matina, desatando a arfar, proclamando suspiros sem pronunciar uma única palavra desta nossa camoniana língua. Terá insistido em vários “alôs” e eu sempre a arfar por meio de longas manobras nasais. Pensou que eu estava agoniando dentro do carro, vítima de um acidente qualquer que iria ser confirmado nos jornais da tarde logo a seguir aos directos da Lourinhã, e onde seriam passados testemunhos da minha prestigiadíssima pessoa. Mas não, afinal o senhor Altino está bem e a reunião vai ter que ser adiada devido às substantivas explicações que, entretanto, delas me deu conhecimento.
No entretanto, eu, ainda meio morto e quase acordado, tentei explicar que se calhar atendi o telefone dormindo, num acto de curiosa raridade e acabei por lhe confidenciar que fui de copos para os bares de Leiria e caí na cama que nem vinha madura. Porém, o meu querido cliente tinha outra versão e jurou a pés juntos que aquilo não fora mais do que um gesto mecânico de um profissional de vendas que mesmo a dormir atende o telefone. E eu rendi-me a tal teoria e nem sequer o contrariei porque o cliente tem sempre razão e, neste caso, aquela razão era-me satisfatoriamente favorável. Com redondos salamaleques nos despedimos, que somos uns queridos, e eu fiquei a olhar para aquelas oito horas da manhã a tentar perceber porque será que eu atendi o telefone a dormir. Num primeiro instante pensei que só podia ser devido ao “ Tónic” desmedido que tomara poucas horas antes. Subitamente, iluminei-me de inspiração e percebi o móbil do crime, a substância de tão inusitado comportamento. É que o homem telefonou-me num dos intervalos de nove minutos que intercalam os repetitivos toques de despertar do meu humilde telemóvel sofisticado, e que me levam sempre a dar um delicioso “OK” no telefone com a esperança de dormir em nove minutos umas boas dez horas mais. Mas pronto, fiquei bem na fotografia, já se vê. Para este meu cliente eu sou um exemplo de profissional perfeito, que até atende o telefone a dormir. Atendo sim senhor. Telefone-me e comprove se é ou não verdade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue