os gaienses

Se eu fui ali tão ditosa,
se ali soube o que era amor,
se ali me fica a alma e a vida…
Traidor rei, que hei-de eu mirar?
- Pois mira, Gaia! E dizendo,
da espada foi arrancar;
Mira, Gaia, que esses olhos
Não terão mais que mirar. - Almeida Garrett


Esses ingratos foram a correr votar no Menezes, o Rei Ramiro que um dia veio do Porto, pela noitinha, e desembarcou na Afurada. Os gaienses sabiam que o Couto das coutadas tirsenses andava por ali a tentar enfiar-se no castelo de Almansor e foram então a correr votar no Menezes. E esqueceram-se da Ilda, a princesa Zahara. Esqueceram-se dela porque ontem não fechou nenhuma fábrica de Gaia nem se deu notícia de alguma nova desgraça miserável que abunda no reino do senhor da outra margem. Um dia destes ela será chamada, a Ilda Princesa Moura. E todos ficarão mais esperançados nas suas palavras e actos. Dirão que ela sim, ela está sempre ao lado dos mais desfavorecidos. Ontem os mais desfavorecidos não a quiseram por perto. Ingratos.

Comentários

Dakota disse…
Isso é que destratar quem é da terra ...

Mensagens populares deste blogue