desta lisboa que eu amo (- I)

A Nauticampo está a correr-me bem. Duas vendas, ao fim do segundo dia de "feira", ainda que esganadas. Os queridos visitantes estão cada vez mais sedentos de informação e, por outro lado, renitentes na decisão. Mas um vendedor que é vendedor, não um desses conas que no final do curso encontrou nas vendas a sua tábua de salvação à custa de 500 euros de fixo mais um telemóvel fatela e uma permanente justificação para o merecimento de tais regalias, que eu bem lhes digo para irem trabalhar nas obras ou numa fábrica de cablagens qualquer, dessas que se deslocalizam, como as putas à beira da estrada mais ou menos movimentada...ah, mas dizia eu, que ainda me perco (perco-me sempre, cum carago), um vendedor que é vendedor tem de puxar para o fecho, tem de criar no cliente a perfeita convicção de que é agora ou nunca. E a puta da venda sai, ai se não sai. Esmagada, esmifrada, calcada e prensada... mas venda, gloriosa venda de sabores a caju com cerveja gelada.


E depois, os jantares nas portugálias da cidade. Esta Lisboa está infestada de casas de "fast food", que eu não gosto de caracóis e por isso, por mais que pense, acabo sempre numa portugália qualquer e a comer um bife qualquer com um molho qualquer e umas batatas fritas quaisquer. Foda-se lá para esta lisboa gastronómica. Falta-me a rojoada, a cabidela, o cozido e a sandes de marmelada com queijo. Estou farto, fartíssimo, do queijo saloio e das embalagens de manteiga rançosa. Quero mais. Quero larocas e pataniscas de bacalhau. Quero consumar o êxito da venda numas tripas à moda do Porto e quero brindar com um arroz de sarrabulho ou um leitãozinho da Bairrada.
Por outro lado, estou a ficar cansado dos pequenos-almoços do hotel onde estou. O café sabe a bugalho, o queijo parece ser sempre a mesma fatiagem e os ovos mexidos são para os bifes, não são para mim. Quero meias-de-leite decentes, directas. E café Buondi. Aqui é só Delta, nabeiros do caraças! E chávenas cheias que nem sopas. E no meio disto tudo há a "Emel", uma organização terrorista legalizada que me esturra as moedas sobrantes. Mas destes gajos não falo, porque estou na lista negra deles. E não pago!

Esta Lisboa que eu amo é terrivelmente avassaladora nos costumes, sedutora nas feições e muito cruel nas tradições. Ou comes disto ou então vai lá pra tua terra mais esse teu sotaque tripeiro. Esse "fica aqui à minha beira" que ninguém usa, esse "entom" á moda de lá de cima...
Mas duma coisa eu gosto: o "cala-te lá". O "cala-te lá" alfacinha é único. Quando o oiço tremo de prazer e quando o digo parece que estou a perder a virgindade. O "cala-te lá" é para mim um perfeito quinto orgasmo. Completíssimo.
Ah!, pronto! Isto é só a Nauticampo Em Lisboa, numa semana de Fevereiro, o meu mês, e com vendas que se fazem, entretanto. Viva a minha condição de poeta vendedor. Um bem haja a mim e obrigadinho, sim?

Comentários

jg disse…
Este "wild at heart" é um espanto!!!
Um génio!!! Digo-o, sem pinga de ironia, para que conste.

Mensagens populares deste blogue